domingo, 29 de março de 2015

Dois museus e uma cidade

Stuttgart sofreu 53 ‘raids’ de bombardeamento na Segunda Guerra Mundial. Era um dos principais polos industriais principalmente por causa da Mercedes Bens e Porsche. Não ficou completamente arrasada, como pretendiam os Aliados, mas o estrago foi para valer e restou pouco para ser restaurado. O centro da cidade, incluindo a estação ferroviária, é praticamente todo construções recentes, pós guerra. Resta uma coisa ou outra anterior à guerra, como um trecho de ruas com um resquício de traçado medieval no meio de um urbanismo cartesiano, e mais algumas construções mais antigas, sei lá de quando. No final das contas Stuttgart tem um centro sem graça, mas funcional. 
Estava numa esquina deste centro olhando um conjunto de edifícios modernos, quadrados, repetitivos e sem graça, quando fui surpreendido por uma mulher que veio em minha direção dizendo que também não gosta daquela arquitetura. “Sua expressão e o balançar da cabeça mostram o seu desgosto. Eu também não gosto”, completou. Respondi que aquilo era obra de quem só sabe trabalhar projetos no computador, uma geração muito digitalizada. Ela abriu a porta do carro estacionado ao meu lado, colocou as sacolas que transportava dentro e voltou-se para mim contando que trabalhava numa empresa que produz justamente estes softers. “Eles são uma ferramenta preciosa, indispensável para as empresas”. “Concordo. O problema não é a ferramenta, mas quem a usa. A maioria desta nova geração de arquitetos não sabe desenhar, não consegue criar na mão; não sabe o que é errar e nem tirar proveito do erro, construir o novo e o equilíbrio a partir dai”, comentei. “Sei o que está falando por que tenho filhos de 22 anos. Tem coisas da vida que não adianta tentar conversar, como política e isto (apontando para a arquitetura horrorosa), mas quando se fala sobre mídia social eles sabem tudo”.
A uma quadra da esquina fica a avenida principal que hoje é um imenso calçadão muito largo e talvez um quilômetro de extensão lotado de gente, lojas e alguma coisa para beber e comer. Não há mesas na calçada, exceto umas poucas onde a avenida se abre para a grande praça do palácio. O espírito do espaço é muito duro, formal, pouco aproveitando as pessoas que passam na informalidade, a maioria de bem com a vida. Neste contexto a bicicleta é mal aproveitada. Não faço ideia de qual é o percentual de uso, mas já é sensível. Não vi paraciclos e bicicletários posicionados integrar-se com a força que o calçadão já tem. Enfim, falta jogo de cintura por parte das autoridades; e não é coisa desta geração X Y mediática social.
O pouco que vi da cidade quando me movimentei de trem deixa uma curiosidade de conhecer a outra Stuttgart, distante do centro, pedalando, mas só pago para ver caso um dia decida voltar para revisitar os museus da Porsche e Mercedes, maravilhosos, exemplares. Eles valem Stuttgart.
O Museu Porsche é perfeito. Fica colado na estação de trem qualquer coisa - Porsche, tem uma arquitetura externa agressiva, um interior muito bem resolvido, ótima iluminação interna e um inteligente posicionamento da incrível coleção. Carros e peças mais importantes da mostra têm o complemento de telas de toque com um preciso e precioso material fotográfico complementar. Tudo está na dose certa, prendendo a atenção do começo ao fim, sem cansar. Almocei no restaurante do lobby de entrada e não recomendo. Se não fez reserva no restaurante principal coma na cafeteria. Fiz cara de cachorro que caiu do caminhão de mudança e consegui depois do almoço ser incluído, mesmo sem ter feito reserva prévia, num dos grupos de visita à fábrica, que fica do outro lado da rua. Levando em consideração que o pessoal já passou pelo museu, a visita também é a dose exata para dar uma noção cativante do processo de fabricação.
Ferdinand Porsche tem uma história que vai muito além dos carros esportivos de luxo e das corridas. Criou carruagens movidas a propulsão elétrica; um motor elétrico de centro de roda adaptável a qualquer carro; o primeiro carro com propulsão híbrida elétrica / combustão, idêntico aos usados atualmente. E muito mais. Logo depois da II Guerra Mundial decidiu fabricar carros esportivos de luxo, o que foi então considerado uma loucura.
O Museu Mercedes Bens está num edifício meio cilíndrico e prateado, praticamente sozinho no espaço e por isto parece menor que o Porsche. Parece, mas definitivamente não é. É um monstro de 6 andares com uma coleção imensa restaurada e exposta de maneira impecável. Paga-se a entrada e se é colocado num elevador de desenho futurista que sobe direto para o último andar, onde, por ordem cronológica, é possível ter uma visão muito interessante da história dos automóveis movidos a motores de explosão, lógico que na versão Mercedes Bens. É uma senhora referência. Tive que ver a coleção em duas etapas, e não aguentaria de outra forma, mesmo ficando embasbacado com o que está exposto. É muita coisa. Para quem entende um pouco de carro, o Museu é uma Mercedes Bens 600 SL, o topo de linha, raríssimo no Brasil, um luxo só.
Principalmente no museu Mercedes Bens fiquei impressionado com a quantidade de jovens que estavam lá unicamente com seus selfies.
E ai voltamos a conversa que tive no meio da rua.

Depois coloco com calma as fotos

Um comentário:

  1. Stuttgart pelo que se lê deve ser linda apesar de tudo que sofreu. beijo

    ResponderExcluir