terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

vida simples do campo.

Este fim de semana passei num sítio localizado próximo ao Bairro Centro, a uns 20 km de Campos do Jordão no sentido de Itajubá. Sabendo de quem é imaginei uma casa típica de fazenda simples, mas grande e com os confortos típicos de uma família paulistana. Que nada! Felizmente!

Ficamos numa casa de colono de mais de 70 anos. Construída em tábuas de madeira, só com chão, banheiro e fogão a lenha em alvenaria, tem cinco janelas, sendo que só as duas da sala com vidros, sala cozinha juntas, dois quartos, duas varandas deliciosas, um sótão depósito e só. Mesa, quatro cadeiras, duas poltronas, um beliche e uma cama de casal, banheiro moderno muito bem construído, fogão a lenha aceso, fogareiro duas bocas, geladeira, água potável da montanha, silêncio completo. Instalados na pequena casinha me veio a pergunta: Para que se precisa mais?
Casas de madeira costumam "cantar" com a movimentação da madeira. No meu quarto o sótão batucava. Rato? Não, ratos andam e dão um guinchado baixinho. Gambá? Sérgio, o responsável pelo lugar, deu a resposta: um ninho de maritacas, irrequietas maritacas fazendo algazarra. 
No dia seguinte saímos para pedalar. Fazia muito que não pedalava na terra, o que é muito bom. Tenho uma Haro Fligh Light simples, aro 26, 24 marchas, V brakes, que roda maravilhosamente bem. Preciso mais? Duvido. Preciso mais é daquelas paisagens maravilhosas e não de uma bicicleta nova. No domingo saí novamente para pedalar, primeiro só, sem nada, capacete, remendo, câmara reserva, bomba, só água. Infelizmente esqueci a câmera fotográfica. Fui parando em cada vista do paraíso. Precisa mais? Na volta encontrei Tobias e continuamos o pedal. Terminei a manha feliz por ter aguentado tanto tempo sobre a bicicleta e tantas subidas. 
Almoçamos, comida simples, caseira, deixamos o sol baixar e subimos o morro atrás da casinha até o topo. De 1.350 m até 1.700 m. Aos poucos a paisagem vai ficando mais ampla, emocionante. Subir e em alguns pontos até escalar o morro me dá uma felicidade muito grande por que prova que meu corpo está bem. Olhar o mundo de cima é outra história. Descida me preocupa, força os joelhos, estressa muito a musculatura, mas chegando na casinha senti que realmente estou inteiro. 
A noite lembrei da conversa que tive com uma amiga bonita que está gorda e fora de forma. Diz que não consegue emagrecer por causa do trabalho, dos filhos, da loucura do dia a dia. Como tantos não consegue fugir do ciclo vicioso da cidade. Dei a dica que brincasse, simplesmente brincasse, o que é um ótimo treinamento. Brincar com os filhos, ser inconsequente, cruzar as ruas com corridinhas, subir escadas, deixar o controle remoto longe, fazer pequenos e constantes alongamentos, carregar compras pesadas, pensar leve, ser simples, mesmo dentro da loucura do dia a dia...
Adicionar legenda
Na manha seguinte fiz o café e fui tomar na varanda. Fiquei olhando os cavalos. Eles têm ciúmes, brincam, brigam sem machucar o outro, empurram com a pata de trás sem dar coice, bocejam, seguem o dono...   Igualzinho a um cachorro. Sou um completo ignorante das coisas simples da vida. 

2 comentários:

  1. Texto muito gostoso de ser lido Arturo! Da pra sentir ate o cheiro do mato e tudo mais do lugar. Keep it up with the good work!!!!! Thanks for sharing!!!!!!! Wonderful place!!!Tua fa anonima Miriam

    ResponderExcluir